domingo, janeiro 02, 2011

Educação para os media: compreensão crítica e participação activa

David Buckingham é um dos investigadores e autores de referência, no panorama internacional da educação para os media.A abrir mais um ano, aqui fica uma definição do que, para ele, é e não é esta nova área de acção, formação e pesquisa, expressa num texto que escreveu há cerca de dez anos para a UNESCO, inspirado, de resto, num documento de referência para quem estuda e acompanha este assunto - a Declaração de Grünwald:
  • A educação para os media envolve o leque alargado de meios de comunicação, incluindo a imagem em movimento (cinema, vídeo, televisão), rádio e música gravada, meios impressos (especialmente jornais e revistas), e as novas tecnologias de comunicação digital. Tem como objectivo desenvolver uma "alfabetização" de espectro amplo, não apenas em relação à imprensa, mas também aos sistemas simbólicos das imagens e dos sons.
  • A educação para os media ocupa-se com o ensino e a aprendizagem sobre os media. Isso não deve ser confundido com o ensino através dos media - por exemplo, o uso da televisão ou de computadores como meio de ensino da ciência ou da história. A educação para os media não tem como foco o uso instrumental dos meios de comunicação como 'auxiliares de ensino’, como: não deve, por isso, ser confundida com a tecnologia educativa ou os media educativos.
  • A educação para os media tem como objectivo desenvolver tanto a compreensão crítica como a participação activa. Permite que os jovens interpretem e façam juízos informados enquanto consumidores de media, mas também permite que eles se tornem produtores autónomos de media, e, assim, se tornem participantes capacitados na sociedade. A educação para os media refere-se ao desenvolvimento de capacidades críticas e criativas entre os jovens.
Buckingham, D (2001) Media Education - A Global Strategy for Development. A policy paper prepared for UNESCO (negritos nossos).

1 comentário:

mamãe disse...

È muito importante o trabalho com medias com objetivo de instrumentar as pessoas e que possam exercer suas habilidades para uma qualidade de vida melhor podendo compartilhar davisão de mundo da qual se beneficiam apenas os integrantes de uma elite. Muito nobre.